Maio faz MT ceder posição


A redução de cerca de 13% na movimentação da soja e de 86% sobre os embarques do milho no mês passado fizeram diferença no saldo das exportações mato-grossenses



A redução de cerca de 13% na movimentação da soja e de 86% sobre os embarques do milho no mês passado fizeram diferença no saldo das exportações mato-grossenses que fechou maio com redução de 17,2% quando comparado com a receita obtida em igual momento do ano passado, que passou de US$ 1,97 bilhão para US$ 1,63 bilhão.

A perda de negócios custou a posição do Estado no ranking dos maiores exportadores nacional. Em abril, Mato Grosso conquistou o inédito quarto lugar e na transição mensal, cedeu espaço para o Rio Grande do Sul, encerrado o acumulado dos cinco primeiros meses de 2013 na quinta colocação, que ainda supera as médias históricas que registravam até o sexto lugar. Os dados fazem parte do levantamento mensal elaborado pela Assessoria Econômica da Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Fiemt) e divulgado ontem.

No início desta semana o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), já havia chamado à atenção para perda de ritmo nos embarques das principais commodities do Estado. Também com análises em dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), o volume de soja em grão embarcado em maio foi 13% menor do que o registrado em mesmo período do ano passado, fechando o mês com 2,3 milhões de toneladas. Refletindo conjunturas do mercado consumidor como também o estrangulamento da logística em ano de safra recorde no Brasil, o Imea destaca que os períodos de maior exportação de soja mudaram, no ano passado foi o mês de maio, e na safra atual o período que teve maior exportação foi o mês de abril, com 2,6 milhões de toneladas. Para a soja em grão, o melhor período de exportação, o que acumula a maior movimente é maio, tradicionalmente, momento que coincidia com o salto na receita das vendas internacionais, mas em 2013, de maneira atípica, graças à demanda pelo milho, o saldo mensal da pauta mato-grossense registrou negócios acima de US$ 1 bilhão, cifras que até abril vinham sendo superados a cada balanço. A quebra sequencial de recordes foi interrompida em maio, como apontam os dados da Fiemt.

ACUMULADO - Apesar da perda de ritmo de maio, o acumulado dos cinco primeiro meses de 2013 é positivo em relação a igual período do ano passado. Até o mês passado, o Estado avolumou receita recorde para esta fração do ano de US$ 7 bilhões, 18,94% acima do consolidado de janeiro a maio de 2012.

O resultado acumulado sustenta também a segunda colocação de Mato Grosso no ranking dos estados com o maior saldo da balança comercial - diferença entre exportação e importação -  do país, atrás apenas de Minas Gerais. Até maio foram contabilizados US$ 6,17 bilhões ante US$ 5,37 bilhões de janeiro a maio do ano passado. Minas lidera com saldo acumulado de US$ 8,52 bilhões. O país ainda amarga déficit de mais de US$ 5,39 bilhões, ante um resultado positivo de US$ 6,26 bilhões, também sustentado pelos dois estados. 
Compartilhar

About Paulo Roberto Melo

0 comentários:

Postar um comentário