Congresso Internacional da Carne reforça potencial da pecuária e entraves do setor


O evento foi aberto oficialmente na noite desta terça-feira, em Goiânia, e contou com a presença da presidente da CNA, Kátia Abreu





O evento foi aberto oficialmente na noite desta terça-feira, em Goiânia, e contou com a presença da presidente da CNA, Kátia Abreu


A presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, (CNA), senadora Kátia Abreu,), elogiou a capacidade produtiva do pecuarista brasileiro que, segundo ela, foi solitário no seu esforço de produzir uma carne de qualidade para o mundo, na abertura oficial do Congresso Internacional da Carne 2013, na noite desta terça-feira, 25.06, no Teatro Rio Vermelho do Centro de Convenções de Goiânia O evento, que acontece até amanhã, é uma realização da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR Goiás) e do International Meat Secretariat (IMS-OPIC).

“A pecuária brasileira, assim com a agricultura é extraordinária. Há 40 anos o Brasil possuía 70 milhões de cabeças e hoje o rebanho é 155% maior. E devemos isto a cadeia de pecuária de corte brasileira que nasceu, se desenvolveu, cresceu e ficou adulta sozinha com o esforço único e exclusivo dos produtores rurais”, ressaltou a presidente da CNA.

Ao falar da sanidade animal, a senadora Kátia Abreu informou que no segundo semestre, a CNA irá apresentar à iniciativa privada e ao Governo Federal, um planejamento de Defesa Agropecuária para o País para oferecer um produto com qualidade ainda melhor ao mercado internacional.

Ela também falou da falta de infraestrutura, que encarece o custo da produção agropecuária brasileira. “Nós produtores nos deslocamos com a agropecuária para o Centro-Oeste, mas a infraestrutura não nos acompanhou. Queremos que a logística possa ir junto onde há terra fértil, chuva e terras com preços adequados” concluiu Kátia Abreu.

A presidente da CNA abordou ainda os acordos comerciais bilaterais do Brasil. Para ela, o Mercosul é um entrave nas negociações de liberalização do comércio brasileiro com a União Europeia devido ao protecionismo incentivado por alguns países do bloco sul-americano. “Estamos assistindo a forma com que esses acordos Brasileiros estão sendo feitos e vemos o Brasil ficando para trás e perdendo mercado por essa sua participação no Mercosul. A União Europeia compra mais de 20% das nossas exportações, enquanto os Estados Unidos não chegam a 11% e esses dois grandes mercados anunciaram um acordo na semana passada”, explicou a senadora Kátia Abreu.

A palavra do anfitrião




Ao abrir o Congresso Internacional da Carne, o presidente do Sistema Faeg/Senar, José Mário Schreiner, reforçou que “o Brasil é o País que deverá atender a grande demanda mundial de alimentos e principalmente de carne.”

José Mário falou do orgulho em receber pecuaristas vindos de 10 países diferentes para o congresso e agradeceu o IMS, os parceiros institucionais e os patrocinadores por acreditarem no Estado de Goiás e na Federação como realizadora do evento internacional. “Da mesma forma com que cresce nossa importância como Estado produtor e como representante dos produtores rurais goianos, cresce nossa responsabilidade por fornecer uma maior quantidade de alimento e de qualidade”, disse.

Entraves
Para o presidente da Faeg, não basta o produtor ser bom apenas dentro da sua propriedade rural. Ele precisa ter entraves resolvidos e citou como exemplo a alta carga tributária, a infraestrutura e a questão indígena como a vivida pelo Estado do Mato Grosso do Sul.

José Mário citou a cobrança do ICMS goiano na comercialização do gado e disse que a Faeg vai propor e levar ao Governo Estadual uma proposta de solução. Segundo ele, isso atrapalha a competitividade de ganho do produtor na venda da proteína. “Não é possível o pecuarista goiano conviver com taxa de ICMS de 12% para venda de boi magro ou gordo. Esta situação está gerando um desequilíbrio grande em função dessas tarifas altas e distorcidas. E é importantíssimo que o gado produzido em Goiás possa ser levado a outros mercados”, afirmou.

Acordos internacionais

O presidente do Sistema Faeg/Senar falou ainda que o Congresso é um bom momento para se discutir a tipificação de carcaça e que a CNA tem discutido o modelo adotado pelos australianos e argentinos.
O secretário-geral do Secretariado Internacional da Carne (IMS), Hsin Chung Huan, se disse contente por estar no centro de produção agropecuária do Brasil. Falou que a organização possui 90 membros em mais de 40 países no mundo e que a missão do IMS é garantir o fornecimento de alimento do mundo. Ele comentou sobre a produção sustentável no mundo e criticou as várias notícias erradas divulgadas pela mídia e que não representam a correta forma de produção agropecuária pelo mundo.

O diretor técnico do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), em Goiás, Wanderson Portugal, disse que o Brasil é cada vez mais um país de empreendedores. Ele citou números de que Goiás possui mais de 272 mil micro e pequenas empresas formalizadas que respondem por quase 58% dos empregos e metade da massa salarial do Estado de Goiás. Falou da parceria com a Faeg incentivando o produtor rural a se tornar um empreendedor rural e como essa capacitação por meio do Programa Empreendedor Rural (PER) garante que a propriedade rural seja mais lucrativas e rentáveis.
Antônio Flávio Camilo de Lima, secretário da Agricultura, Pecuária e Irrigação, representou o governador de Goiás, Marconi Perillo. Ele falou do conceito de sustentabilidade estar em destaque na programação do congresso. Lembrou que o mundo possui atualmente mais de 7 bilhões de pessoas e que desse número 800 milhões ainda passam por um grave quadro de desnutrição. O secretário ressaltou que um dos maiores desafios da humanidade é o de proporcionar acesso seguro a alimento a todas as pessoas de todos os continentes. 
Compartilhar

About Paulo Roberto Melo

0 comentários:

Postar um comentário