BNDES estima investimentos de R$ 183 bi em projetos logísticos


O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) estima investimentos de R$ 183 bilhões no setor de infraestrutura entre 2013 e 2016



O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) estima investimentos de R$ 183 bilhões no setor de infraestrutura entre 2013 e 2016, dos quais o próprio banco deve financiar 43%, enquanto os demais recursos públicos responderão por 19% e os 38% restantes ficarão com os investidores privados.

O montante corresponde aos recursos que devem ser aplicados em portos, rodovias, aeroportos e ferrovias, incluindo o volume previsto para o Trem de Alta Velocidade (TAV).
Os recursos contemplam não apenas o previsto pelo governo dentro do Programa de Investimentos em Logística (PIL), mas também outros investimentos em concessões e obras realizadas diretamente por órgãos governamentais, como Infraero e Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). As informações são do gerente da área de infraestrutura do BNDES, Dalmo dos Santos Marchetti, na última sexta-feira, em São Paulo.

Portos
Somente o setor portuário deverá receber R$ 35,8 bilhões no período, com 55% financiados pelo BNDES. O volume contrasta com os R$ 54,6 bilhões estimados pelo governo federal até 2017 com o PIL, que prevê até 65% de participação do BNDES. "Como existem projetos que não são financiados pelo BNDES e outros que são financiados com alavancagem diferente da prevista para o programa, a participação do banco fica menor", explicou.

Marchetti acrescentou que as estimativas contemplam parte das postergações no cronograma das novas concessões para o setor de infraestrutura.

Do total estimado para os portos, a maior parcela, de R$ 24 bilhões (67%), deve ser destinada à modernização e ao aumento da capacidade dos terminais, enquanto outros R$ 5 bilhões (14%) serão aplicados no aumento da oferta de terminais de contêineres. Novos portos públicos consumirão R$ 3,9 bilhões e os restantes R$ 3 bilhões correspondem ao investimento público direto em infraestrutura e superestruturas.

Enquanto isso, o governo age para defender os vetos do Executivo à Lei dos Portos, que ainda vai voltar ao Congresso. O ministro da Secretaria de Portos da Presidência da República, Leônidas Cristino, afirmou que qualquer alteração no texto significa perda da "essência" do marco regulatório. "Vamos trabalhar para não acontecer a derrubada dos vetos. Queremos que esse marco regulatório se preserve. Os vetos foram importantíssimos para manter a essência da lei ". O ministro destacou que a derrubada significaria atraso nos procedimentos do primeiro bloco de licitações, a partir de julho.

Rodovias
O setor de rodovias deve receber investimentos de R$ 69 bilhões até 2016, dos quais 34% serão recursos do BNDES, enquanto aeroportos receberão R$ 10 bilhões, sendo 46% do banco de fomento, e no setor de ferrovias, o montante de investimento é de R$ 55 bilhões, sendo 42% do BNDES. Por fim, o TAV terá no período R$ 14 bilhões, sendo 60% proveniente do banco. 
Compartilhar

About Paulo Roberto Melo

0 comentários:

Postar um comentário