Alta de alimento frustra expectativa e, com o câmbio, pressiona a inflação


O governo contava com uma queda nos preços dos alimentos para baixar a inflação no segundo semestre



Sem trégua. O governo contava com uma queda nos preços dos alimentos para baixar a inflação no segundo semestre, mas a colheita de arroz e feijão não foi bem e o dólar disparou, o que pode levar o IPCA a subir mais do que os 6% que eram previstos para este ano

O governo, que contava com a continuidade do forte recuo dos preços dos alimentos e a estabilidade do câmbio para segurar a inflação deste ano, está perdendo aliados. Os preços no atacado dos produtos agropecuários voltaram a subir este mês, apesar da supersafra. E o dólar disparou: o câmbio fechou a semana cotado a R$ 2,24, com alta de 10% em 30 dias.

Ainda é cedo para saber qual será o impacto dessas pressões na inflação ao consumidor. Embora ainda não tenham revisado para cima as projeções para o índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a medida oficial da inflação, economistas dizem que aumentou o risco de fechar o ano com um índice superior a 6%. No último Boletim Focus do Banco Central (BC), a expectativa do mercado para o IPCA de 2013 era de 5,83%. E em 12 meses até maio, o indicador acumula alta de 6,5%.

"Ninguém esperava que a alimentação fosse ficar mal comportada de novo e houvesse uma explosão do câmbio tão forte", afirma o economista-chefe da MB Associados, Sergio Vale, Segundo ele, esses dois elementos novos combinados têm efeito devastador sobre a inflação.

O economista, que já previa IPCA de 6% para este ano, acredita que essa marca possa ser superada. Ele diz achar difícil "comprar" a visão do BC de que há uma queda drástica nos preços dos alimentos e cita o feijão  como o próximo vilão. Em 12 meses até maio, o preço do feijão carioca ao consumidor subiu 44%. Na sexta-feira, o governo propôs à Câmara de Comércio Exterior (Camex) a isenção até dezembro da incidência da Tarifa Externa Comum (TEC) nas importações do produto para aumentar a oferta e aliviar a pressão na inflação. O feijão tem peso grande no cálculo da inflação (0,5%), o dobro do macarrão, por exemplo.

"Os preços das matérias-primas, que ajudaram a alimentação no varejo a ter uma desaceleração forte em maio, trocaram de sinal este mês. Algumas podem ainda estar com variação negativa, mas todas estão em trajetória de elevação", diz o superintendente adjunto de inflação da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Salomão Quadros. Na segunda prévia de junho do índice Geral de Preços Mercado (IGP-M), as matérias-primas agropecuárias voltaram a subir no atacado e tiveram alta de 1,25%, depois da deflação de 2,22% em maio.

Paradoxo. "Ainda não é efeito do câmbio", frisa Quadros. Ele ressalta que a pressão de preço dos produtos agrícolas, especialmente os de consumo doméstico, como arroz e feijão ocorreu porque acabou a colheita e a produção desses grãos não foi bem, apesar da safra recorde, puxada por outros produtos. Cerca de 80% dos 186 milhões de toneladas de grãos colhidos neste ano são de soja e milho, itens de exportação.

"Existe um paradoxo entre safra recorde e a folga no abastecimento", observa Quadros.

O caso da soja, que subiu 9,3% no atacado nos últimos 30 dias, reflete as incertezas sobre o real tamanho da produção americana. Essa dúvida fez subir o preço do grão na Bolsa de Chicago. Os preços pressionados da soja e do farelo sinalizam aumentos de custos e de cotações das carnes no varejo nos próximos meses. "A inflação de alimentos vai começar o segundo semestre pressionada", prevê o economista da FGV.

Essa também é a previsão do economista-chefe da Sul América Investimentos, Newton Rosa. Mas, ao contrário de Quadros, ele diz que o aumento dos preços agropecuários em junho no atacado reflete a alta do dólar. "O câmbio já começou a pegar no atacado", diz. Rosa observa que o alívio nos preços dos alimentos, que normalmente ocorre entre maio e agosto, neste ano pode durar menos. Nas suas contas, a inflação para 2013, antes projetada em 5,8%, pode superar 6% por causa dos alimentos e do câmbio. Já a sócia da Tendências, Alessandra Ribeiro, não vê riscos inflacionários na alta dos alimentos. "O câmbio está pressionado, mas os preços das commodities em dólar estão caindo no mercado internacional."

Compartilhar

About Paulo Roberto Melo

0 comentários:

Postar um comentário