Avicultura brasileira questiona pedido de alta para importar da África do Sul

Após a tentativa frustrada de aplicar medidas antidumping - que o setor avícola brasileiro comprovou não existir -, agora um grupo de produtores da África do Sul está pleiteando ao governo local aumento da tarifa de importação de produtos avícolas para até 82%




O presidente executivo da União Brasileira de Avicultura (UBABEF), Francisco Turra, protestou contra o novo pedido de produtores ao governo sul-africano, que visa dificultar a entrada de produtos avícolas no país.

Após a tentativa frustrada de aplicar medidas antidumping - que o setor avícola brasileiro comprovou não existir -, agora um grupo de produtores da África do Sul está pleiteando ao governo local aumento da tarifa de importação de produtos avícolas para até 82%.

Segundo o presidente executivo da UBABEF, o pedido pelo aumento de tarifas feito pelos produtores dificulta o livre-comércio.

"É difícil compreender por qual motivo os produtores sul-africanos insistem em tentar barrar a entrada de produtos avícolas de outros países. Conforme levantamentos que fizemos na época da aplicação de tarifas antidumping, mostramos que a avicultura local se desenvolveu mais com a presença brasileira. Não somos concorrentes, somos parceiros", destaca o presidente da UBABEF.

De acordo com Turra, esse processo protecionista prejudica não apenas a indústria de processamento de carne de frango sul-africana, mas também o consumidor local, com a consequente elevação de preços nas gôndolas dos supermercados.

"Todos perdem nesse processo. Por esse motivo, nossa expectativa é por uma ação rápida e incisiva por parte do governo brasileiro, agindo da mesma forma contra os produtos que importamos. Não é possível nosso país agir de forma passiva diante deste quadro, especialmente por sermos um grande parceiro comercial da África do Sul, inclusive com a concessão de aeroportos", destaca.

O desfecho da investigação de dumping - Em fevereiro de 2012, o governo da África do Sul aplicou sobretaxas provisórias de dumping contra frango inteiro e cortes desossados provenientes do Brasil, com sobretaxas de 62,93% e 46,59%, respectivamente. Essas sobretaxas se somavam às tarifas normais de importação, que são de 5% para o frango inteiro e de 27% para os cortes desossados.

Em 22 de outubro desse ano, a Comissão Internacional de Comércio da África do Sul (ITAC) encaminhou cartas ao setor avícola brasileiro, citando a existência de prática de dumping por parte do Brasil. À época, a UBABEF apontou às autoridades e ao mercado uma série de problemas no levantamento do ITAC.

O Ministro de Comércio e Indústria daquele país, Rob Davies, informou que as recomendações do ITAC para a aplicação dos direitos antidumping sobre as exportações brasileiras de frango inteiro e cortes desossados de frango foram rejeitadas. As informações partem da Assessoria de Imprensa da Ubabef.
Compartilhar

About Paulo Roberto Melo

0 comentários:

Postar um comentário